top of page

De MG para Fatec Jaboticabal


Na Fatec Jaboticabal

Na matéria Estudar em Jaboticabal - A vida longe de casa, falamos sobre os desafios e mudanças que o estudante poderá ter ao escolher sair de casa e morar sozinho ou em repúblicas para estudar.



Nesta entrevista, falamos com o Jorge Otávio, formado em Biocombustíveis, que veio de Minas Gerais para Jaboticabal.



01. Como você veio parar aqui em Jaboticabal – SP?

Sou mineiro, de Carmo do Rio Claro, e morava com meus avós. Vim, primeiro, para Barrinha, onde minha mãe mora. Soube por meio de um amigo que fazia Fatec que existia uma faculdade gratuita de Biocombustíveis, que possuía matérias de exatas e química, que são o meu forte. Procurei saber mais, conheci a faculdade e fiquei encantado com a estrutura, o curso e 6 meses depois prestei o vestibular.


02. Foi uma mudança muito brusca ou tranquila para cá?

Não foi muito brusca porque já conhecia um pouco a região por visitas, mas quando decidi me estabelecer na cidade, pude ter oportunidade de conhecer mais ainda os locais, os bairros. Mas, confesso que o calor é difícil de se acostumar... risos... quem gosta de calor, se adapta super bem.
Visita da família na república


03. Onde você morou na cidade?

No começo morei com minha mãe em Barrinha, não tinha a ideia de morar sozinho, parecia algo difícil e insustentável, então, estudava de manhã e à tarde realizava minha iniciação científica. Passava muito tempo em Jaboticabal e muitas vezes perdia o ônibus, deixando cada vez mais difícil conciliar estudo, bolsa, aulas e até minha alimentação com sono e saúde.
Criei a coragem e decidi morar de vez em Jaboticabal. Próximo a Fatec e Unesp, possui várias repúblicas. Consegui vaga em uma república de pós-graduação, que era uma casa com estudantes de pós e eu era o único de graduação ainda.


04. Como era a República?

Era uma casa, onde cada um tinha seu próprio quarto e o resto dos cômodos eram coletivos. Mas as tarefas eram divididas, cada um comprava e usava suas coisas, aquele cada um cuida do seu e a parte coletiva todos precisavam manter organizado e limpo.
Com certeza foi a melhor experiência que tive. Morei com pessoas de outros países, etnias, opções sexuais. Aprender a conviver com todo tipo de pessoa me fez compreender o mundo de uma forma que eu dou muito valor. Digamos que criei mais respeito e empatia pelas pessoas, principalmente com cultura, costume e gostos diferentes.

Amigo da república, o peruano Ricardo

05. Como se sustentava? Como se organizava com as contas?

Consegui bolsas de iniciação científica enquanto estudava na Fatec Jaboticabal. Claro, quando podia e tinha oportunidade, fazia alguns bicos. De início, apenas pagava o que me era devido, aquele sistema de quando moramos com os pais, só pagamos algumas coisas, vemos contas e boletos meio por cima, come tudo que tem.
Mas depois, começa a não ter dinheiro, contar moedinhas, entender o valor da comida. Aí, comecei a fazer a organização dos meus pagamentos, digamos que é quando “amadureci”, fiquei realmente responsável, comecei a fazer contas, economizar aqui, saber o quanto e como gastar.


06. Quais foram as dificuldades e desafios?

Quando fui morar sozinho descobri que não era tão fácil, como eu pensava. Tive uma adaptação completa, fui obrigado a aprender cozinhar, lavar, passar, limpar, cuidar e tudo mais, era eu por mim mesmo. Tive a dificuldade financeira, como já disse, fiquei alguns meses comendo só arroz e feijão, mas sempre tive vontade de melhorar a situação e foi quando aprendi a organizar meu financeiro. Também tive dificuldade na adaptação dos estudos. Precisei que correr atrás de revisão e estudar mais. Só que tive sorte também, eu morava com pessoas muito inteligentes e dispostas a ajudar.
Hoje, olhando para esse tempo, percebi que superei grandes dificuldades e isso me ajudou muito a ser quem sou, a ter autonomia, responsabilidade, independência e agora sei me virar onde for.
Estudo nos reatores


07. Hoje você está trabalhando, estudando?

Graças ao meu curso em Biocombustíveis continuei seguindo a carreira acadêmica e hoje faço Doutorado em Microbiologia Agropecuária na UNESP de Jaboticabal. Ainda tenho como renda bolsa de estudos e quando tenho oportunidade, vou fazendo bicos, serviços e o que puder para adicionar na renda.


08. Quais são suas expectativas para o futuro? Pretende continuar na cidade?

Olha, gosto muito da cidade e ficaria sem problemas. Quero prestar concursos públicos relacionados a minha área, para ter meu emprego fixo, minha estabilidade definitiva. Vou prestar onde puder e se tiver sorte de ser por aqui.


09. Quer deixar algum recado para quem está pensando em deixar sua cidade para estudar aqui?

Olha, parece bem difícil, ás vezes é difícil, mas precisa superar as dificuldades, nem sempre vai poder participar daquele churrasco legal, algumas vezes porque não tem dinheiro, ou porque precisa terminar um trabalho ou até mesmo porque precisa lavar a roupa.
Mas se está disposto a investir em você, a crescer, aprender a se virar e estudar, aconselho muito ir morar sozinho ou em uma república. Aqui na cidade tem muitas opções, uma mais bacana que a outra.


Então, estudante de outra cidade, se estava em dúvida sobre mudar para Jaboticabal, esperamos ter ajudado com a entrevista e com a matéria.




Redação e Entrevista - Valeria Z | Comunicação Fatec Jaboticabal

Entrevistado - Jorge Otávio | Tecnólogo em Biocombustíveis

Fotos - acervo autorizado do entrevistado



52 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page